fbpx

O ano de 2020 registrou muitos avanços no setor portuário, apesar de tantos desafios que a região e o país enfrentaram por conta da crise sanitária no Brasil. A comemorar temos várias boas notícias envolvendo o debate da ligação seca. Afinal, o projeto do túnel se fortaleceu e se tornou realidade.


O movimento Vou de Túnel buscou comunicar-se com a sociedade sobre o projeto do modal submerso. Além de atuar nas redes sociais e na imprensa, a campanha iniciou um diálogo direto com as comunidades situadas no local onde será erguido o túnel, a fim de esclarecer sobre as vantagens do modal para essa população.


A campanha ganhou a imprensa regional e nacional, desmitificando questões sobre o tema da ligação seca. O assunto ocupou vários programas de TV, de rádio e webinars. Em um deles, organizado pelo Portogente em setembro, o diretor do Departamento de Novas Outorgas e Políticas Regulatórias do Ministério da Infraestrutura, Fabio Lavor, anunciou, pela primeira vez, um cronograma para o estudo de viabilização da ligação seca, com possível inserção do projeto do túnel dentro do processo de desestatização.


Outros debates importantes reforçaram a defesa do portal ao projeto do túnel submerso. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, chegou a afirmar na imprensa que ponte não combina com porto. E nossa campanha buscou ampliar o número de vozes capazes de informar tecnicamente sobre o melhor projeto de ligação seca no contexto da mobilidade pública, da logística, no âmbito do desenvolvimento do porto e da privatização do setor.


O resultado disso foi que a Campanha Vou de Túnel cresceu e ampliou o número de apoiadores. Já são 34 instituições e empresas que acreditam e lutam pela viabilidade do projeto. O debate sobre o túnel avança entre a população da região, que também passou a conhecer o projeto durante as ações da campanha nas ruas para esclarecer sobre a proposta que solucionará o problema das filas das balsas na travessia Santos-Guarujá. Com isso, a petição pelo projeto do túnel imerso ultrapassa hoje 4 mil assinaturas.


As eleições trouxeram à tona a oportunidade para o debate sobre o túnel como solução para o problema de mobilidade urbana nas cidades de Santos e Guarujá e a logística portuária. Logo, além do grande número de especialistas que defendem o túnel como melhor solução para a ligação seca, o modal ganhou a defesa de mais políticos no âmbito federal, como a deputada Rosana Valle (PSB) e o próprio presidente Jair Bolsonaro.


Tudo isso colaborou para que a viabilização financeira do túnel se tornasse importante objeto de estudo. A Autoridade Portuária defendeu em várias ocasiões a viabilização de túnel entre Santos e Guarujá e afirmou inclusive que tem capacidade financeira para investir no túnel. E prepara, atualmente, o chamamento de estudo para viabilização do túnel.


A iminente chegada dos grandes navios e a aprovação da BR do Mar vai ampliar a operação nos portos, fazendo do túnel, mais do nunca, necessário. O desenvolvimento da região será impulsionado com a chegada do modal, vital para transformar o porto no maior do hemisfério sul. Mas, para além do Porto, há a população que aguarda ansiosamente para realizar uma travessia rápida e confortável entre as duas cidades.


O novo ano se aproxima e com ele a proposta de continuarmos reivindicando uma vida mais digna com melhorias para a mobilidade urbana da Baixada Santista e para o desenvolvimento do maior porto da América Latina. E nesse quesito o túnel é, sem dúvida, a opção mais sustentável para todos: porto e cidade.