fbpx

Projeto Túnel Santos/Guarujá

Todo o projeto de túnel prevê a redução da poluição do ar e da emissão de CO² na atmosfera. Mais ecológico e sustentável, o túnel é uma proposta alinhada às novas políticas de planejamento mundial, onde a sustentabilidade é uma premissa para o desenvolvimento.

Além de trazer mais qualidade de vida para a sociedade, projetos sustentáveis têm sido uma escolha de investidores nacionais e internacionais. Ao discutir o tema “Green Bonds, um caminho para investimentos em infraestrutura”, no webinar Porto & Mar realizado nesta terça (15), o sub-secretário de sustentabilidade do Ministério da Infraestrutura, Mateus do Amaral, e a especialista em green bonds do Banco Itaú BBA, Luíza de Vasconcellos, reforçaram que a pauta verde vem crescendo no Brasil. E diante das certificações de programas de novas ferrovias, é grande a possibilidade de se expandir essa atividade para os setores aquaviário, hidroviário e aeroportuário.

Investimentos de longo prazo de alto valor e em infraestrutura são uma proposta muito interessante para a utilização dos títulos verdes, segundo os especialistas. Há uma tendência de que, ao serem estruturados os critérios e as regras desses financiamentos, eles possam se tornar mais frequentes.

A proposta é que os portos escolham cada vez mais projetos que contribuem para o meio ambiente, para a redução da emissão de CO2 e melhoria da vida marinha ao redor do porto, explica Luiza.  Segundo Amaral, é possível buscar recursos para projetos no porto em fundos de investimento que investem nessa vertente.

Em seu último artigo publicado no jornal A Tribuna, Marcelo Sammarco, advogado especialista no setor portuário, aborda a opção de captação de recursos destinados exclusivamente à execução de projetos ambientalmente sustentáveis no setor de infraestrutura portuária e aquaviária, bem como para projetos de construção, expansão e modernização de terminais portuários certificados.

O Webinar Semanal Portogente (WSP) – Desafios do Porto Verde, recentemente mostrou um processo em curso de planejamento e ações para implantar um sistema ecoeficiente, de todos os modais combinados. Há uma expectativa de que o Ministério da Infraestrutura (Minfra) aplique o conceito de Índice de Desempenho Ambiental (IDA), que hoje abrange todos os modos de transporte: aeroviário, ferroviário, hidroviário, rodoviário e infraestrutura portuária. “Na linha de financiamento verde, já existem iniciativas bem-sucedidas no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Minfra, através dos Títulos Verdes. Uma iniciativa consagrada para captação de investimentos para projetos de sustentabilidade que visam a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas. Por exemplo, para que a enorme quantidade de energia poluente empregada na atividade portuária venha a ser sustentável”, afirma o Portogente.