fbpx

Apesar de abrigar um dos portos mais importantes do mundo, a Baixada Santista ainda conta com um sistema arcaico de balsas para realizar a travessia entre as duas margens de Santos e Guarujá. Em países onde o setor portuário é considerado peça fundamental para o desenvolvimento econômico da região, a infraestrutura recebe atenção especial, beneficiando a logística portuária e a mobilidade urbana. É o caso do porto de Roterdã, na Holanda, que contará em breve com um total de quatro túneis, um exemplo que serve de inspiração para Santos e Guarujá.

Segundo o engenheiro Harald Franke, especialista em túneis, projetos desenvolvidos em várias partes do mundo diminuem o impacto no porto e nas cidades da margem, a exemplo do que ocorreu nos Países Baixos e no México.

O Porto de Roterdã foi visitado na semana passada por uma comitiva organizada pelo grupo A Tribuna. O objetivo foi discutir a desestatização do Porto de Santos no evento TOC Europa e conhecer as mais avançadas experiências adotadas no país europeu, a exemplo da implantação de túneis. O evento contou com a participação de empresários do setor portuário, de representantes de instituições como a Prefeitura e a Câmara de Santos, além do governo federal. A viagem incluiu uma visita ao mais recente túnel que o Porto de Roterdã está construindo.

A comitiva participou de um encontro com o diretor internacional do Porto de Roterdã, Rene van der Plas e teve uma aula sobre a experiência de Roterdã na construção de túneis submersos. O complexo portuário holandês já conta com três túneis, sendo que o primeiro é de 1942. A comitiva visitou a mais recente obra de ligação seca, a quarta da cidade e a mesma planejada para ser feita entre as cidades de Santos e Guarujá, segundo o jornal.

“As pessoas criam uma mística de que o túnel é algo impossível de ser feito. Obviamente que na Holanda o recurso é muito fácil de ser adquirido, porque o governo apoia de forma significativa. É uma facilidade maior do que temos. Precisamos buscar recursos, por isso não sai do papel”, disse o secretário de Governo de Santos, Flávio Jordão.

Segundo o jornal A Tribuna, o evento reforçou o diálogo entre autoridades da Prefeitura de Santos, da Câmara dos Vereadores de Santos, Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e Ministério da Infraestrutura, representados pelo secretário de Governo de Santos, Flávio Jordão; o diretor-geral da Antaq, Eduardo Nery; o diretor da Secretaria Nacional de Portos, Otto Luiz Burlier; o presidente da Câmara de Vereadores de Santista, Adilson Júnior (PP); e o secretário de Assuntos Portuários de Santos, Júlio Eduardo dos Santos.

Túnel é garantia de transporte com segurança e qualidade

Ao longo da História, vários episódios foram registrados no local onde a balsa que promove a travessia entre Santos e Guarujá precisou ser reformada. A espera para atravessar o canal costuma ser grande quando algum incidente ocorre no local. Além disso, a embarcação sempre precisa aguardar o momento em que não há nenhum navio circulando para fazer a travessia, o que acarreta filas.

A população que depende da travessia sofre, há décadas, com problemas com o transporte operado pelas balsas. Além disso, qualquer obstáculo no Porto amplia o risco de acidentes, que gerar insegurança para usuários e prejuízo econômico para a atividade portuária, segundo especialistas.

O projeto do túnel imerso entre Santos e Guarujá segue as recomendações da PIANC (Associação Mundial de Infraestrutura de Transporte Marítimo), que indica a ligação via túnel como a melhor alternativa.

O engenheiro naval e ex-presidente da Autoridade Portuária de Santos, Casemiro Tércio de Carvalho, lembra que a experiência internacional atesta que a ligação seca nos portos do mundo é imersa. Na rota de navegação nos principais portos espalhados pelo globo inúmeros estão os exemplos de países que têm apostado na construção de túneis em detrimento de projetos considerados obsoletos do ponto de vista da segurança e que inviabilizam a passagem de navios maiores, afirma.

A implantação do túnel é uma batalha centenária e que precisa ser implantada. Há dois anos a campanha Vou de Túnel surgiu para fortalecer essa luta pela melhoria da logística portuária e da mobilidade pública na Baixada Santista.

Foto: Porto de Roterdã