fbpx

A sustentabilidade, o crescimento da pauta verde e a preservação da Amazônia são temas que atuais e de grande importância no cenário global. O tema ganha ainda mais relevância neste sábado (5), data em que é celebrado o Dia do Meio Ambiente. Além de trazer mais qualidade de vida para a sociedade, projetos sustentáveis têm sido uma escolha de investidores nacionais e internacionais e já vem sendo planejado por vários portos. O projeto de túnel ligando as duas margens do Porto de Santos é ecológico e sustentável, alinhado às novas políticas mundiais.

A sustentabilidade é uma premissa para o desenvolvimento econômico e a proposta é que os portos escolham cada vez mais projetos que contribuam para o meio ambiente, visando a redução da emissão de CO2 e melhoria da vida marinha ao redor do porto. Há, inclusive, recursos disponíveis para projetos no setor portuário em fundos de investimento que operam nessa vertente.

A tendência é que sejam cada vez mais comuns iniciativas na linha de financiamento verde, conforme o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Ministério da Infraestrutura, através dos Títulos Verdes. Especialistas em projetos de sustentabilidade acreditam ainda que a pasta venha a aplicar o conceito de Índice de Desempenho Ambiental (IDA), que hoje abrange todos os modos de transporte: aeroviário, ferroviário, hidroviário, rodoviário e infraestrutura portuária.

Túnel, um projeto sustentável

O modal imerso prevê a redução da poluição do ar e da emissão de CO² na atmosfera e não promove supressão do mangue. Quanto ao impacto visual, é uma obra discreta, pois mantém a paisagem sem promover grandes obstáculos à paisagem urbana.

Criado pela Dersa, o projeto já conta com licenciamento ambiental e foi considerado pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) um dos melhores projetos de Relatório de Impacto Ambiental (Rima). A obra conta com licença prévia e projeto executivo, explica o engenheiro naval e consultor do Vou de Túnel, Casemiro Tércio.

A ligação seca será feita em um ponto estratégico para que os moradores não tenham que sair da cidade para fazer a travessia. Assim, a iniciativa atenderá mais de 40 mil pessoas por dia. Atualmente são cerca de 30 mil passageiros utilizando as balsas entre Santos e Guarujá diariamente. Ao capturar de 70% a 100% deste tráfego, o modal aprimora a qualidade do transporte urbano, o que significa uma melhoria da qualidade de vida para as pessoas que precisam fazer o deslocamento diariamente entre as duas cidades.

Com 1,7 km e três pistas, o túnel fará o trajeto em apenas cinco minutos. Atualmente, de carro, a viagem gira em torno de 50 minutos e até duas horas de balsa. Além de automóveis, pelo modal imerso circularão ciclistas, pedestres, usuários de ônibus e VLT. Calcula-se a redução de 72 toneladas de emissão de monóxido de carbono por ano. 

Há mais de uma década estudando o projeto do modal, o professor do Departamento de Geotecnia da Escola de Engenharia da USP (Universidade de São Paulo), Tarcísio Barreto Celestino, um dos maiores especialistas em túnel no mundo, estima que a construção do túnel trará uma economia de 110.000 km por ano, o que equivale a duas voltas na Terra por ano e representa, portanto, maior economia de combustíveis: 10.000 litros anualmente.

Além de menor emissão de gases poluentes e menor pegada de carbono, o túnel tem menor custo construtivo, já que conta com a utilização de novas tecnologias amplamente dominadas no Exterior.

Grande número de ciclistas será beneficiado pelo túnel

Na semana em que se comemora o Dia Mundial da Bicicleta (3 de junho), é importante lembrar que a construção de um túnel significa melhoria para a vida de cerca de 10 mil ciclistas, que ao longo dos anos enfrentam a demora das balsas para cruzar as duas cidades, além de não contarem com abrigo durante a chuva.

Em Santos, onde há 27 pistas para ciclistas e 48,5 km de extensão, circula uma média de 45 mil ciclistas vindos de Guarujá através das balsas e catraias mensalmente. Estima-se que 35 mil viagens com bicicletas sejam realizadas diariamente na cidade. Pela ciclovia da orla, a estimativa é de que circulem aproximadamente dois mil ciclistas/hora nos períodos de pico, grande parte com procedência ou destino da balsa (Guarujá) e divisa com São Vicente, segundo dados da Associação Brasileira de Ciclistas (ABC).

Vida sustentável para todos via túnel

Por se tratar de uma obra de grande custo-benefício, é tecnicamente indicada pelas entidades de engenharia que têm se aliado à campanha Vou de Túnel, explica o consultor do Vou de Túnel, o engenheiro Eduardo Lustoza.

Casemiro Tércio Carvalho afirma que o antigo projeto da Dersa vem sendo aprimorado e receberá contribuições conforme o edital de chamamento de estudos lançado este ano pela Autoridade Portuária. Após o acolhimento das propostas, a sociedade também será convocada a fazer sugestões sobre o projeto.

A sustentabilidade ambiental pode ser aliada ao crescimento econômico, gerando mais recursos e qualidade de vida para todos em uma região que depende da economia de um dos maiores portos do mundo. O projeto do túnel é uma proposta que respeita, mais do que o canal de navegação do porto, o urbanismo e o cidadão.