fbpx

A fila da balsa para travessia entre Santos e Guarujá tem registrado uma média de 45 minutos de espera nas últimas semanas e trata-se de um problema que se arrasta há décadas. É preciso discutir com a sociedade as melhores soluções para a mobilidade urbana e as oportunidades para que esse debate ocorra estão se tornando cada vez maiores.

Mobilidade será o tema de um evento promovido pelo grupo A Tribuna, no dia 29 de novembro, que irá abordar o assunto do transporte na região da Baixada Santista, incluindo a questão da ligação seca entre os municípios, que está cada vez mais em voga. “O que mais se comenta é sobre a ligação seca e sobre o aeroporto”, disse o apresentador da Band Litoral, Luciano Faccioli, ao entrevistar a deputada Rosana Valle, recentemente.

O tema “Mobilidade” estará presente no encontro virtual ‘A Região em Pauta’, de A Tribuna, às 18h30, via redes sociais do grupo. A Prefeitura de Santos publicou o diagnóstico da revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento e Expansão Urbana de Santos, que cita várias melhorias necessárias para ampliar a qualidade de vida da população, entre elas, a ligação seca entre Santos e Guarujá. No âmbito regional, instituições como o Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb) e a Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem) também debatem a mobilidade urbana.

O documento sobre a revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento e Expansão Urbana de Santos fala do túnel imerso e do chamamento feito no começo de 2021 pela Autoridade Portuária para que empresas elaborem e doem projetos para implantação e gestão do túnel. Também informa que o traçado original elaborado pela DERSA, em 2013, que possuía licença ambiental, está sendo utilizado de base para definição de novo traçado do túnel.

A nova proposta da Autoridade Portuária levou em conta a redução dos custos de desapropriação e riscos de judicialização, visto que sua embocadura no lado de Santos se dá na poligonal do porto, e no lado de Guarujá na faixa de linha de transmissão de Itatinga, ambas em área do Porto Organizado, reduzindo também o tempo para conclusão da obra.

Os projetos farão parte da modelagem da desestatização da SPA para que o túnel seja feito pelo futuro concessionário, conforme entendimento existente entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Ministério da Infraestrutura (Minfra).

Além deste evento, estão previstas para o final de novembro o início de uma série de audiências públicas para discutir a desestatização do Porto de Santos e a inclusão do túnel no projeto. A população poderá conhecer a qualidade do projeto do túnel, uma proposta que incluir o trânsito de bicicleta, skate, pedestres e automóvel. A ligação imersa se alinha com o plano de Santos, por ser uma solução sustentável e atender a grande número de pessoas.