fbpx

Evento realizado na Câmara dos Deputados reforçou a superioridade do projeto do túnel para a ligação seca entre Santos e Guarujá

O balanço da audiência pública que discutiu a ligação seca na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados ressoou por jornais regionais e nacionais, alcançou mídias diversas e chegou à opinião pública. Em uma das entrevistas realizadas sobre o tema, o consultor do Vou de Túnel, Casemiro Tércio, falou sobre os resultados da audiência e tirou dúvidas sobre o projeto do modal submerso.

O túnel não vai prejudicar o sistema de balsas? Quem pagará tarifa do túnel? O valor será similar ao da balsa? Estas foram algumas das questões importantes esclarecidas pelo consultor durante o programa da TV Boqnews da última semana.

No programa, Casemiro Tércio citou que até setembro deverá sair o anúncio sobre qual ligação seca será realizada, se ponte ou túnel. Segundo ele, durante a audiência pública praticamente foi descartada a ligação seca entre Santos – Guarujá por ponte. “A solução deve ocorrer diante de debate técnico e não conforme interesses políticos”, reforçou.

O avanço da proposta do túnel ocorre após quase 100 anos discutindo ligação seca, projetos, maquetes, projetos executivos e com muito recursos financeiros dispendidos, nos quais as iniciativas esbarraram no alto custo. “O Vou de Túnel pretende tirar do papel este ano o projeto”, frisou o consultor.

A construção do modal entrará no pacote de obrigações da futura empresa que cuidará do Porto de Santos. A ideia é aprovar o projeto do túnel ainda neste ano, para evitar que possíveis mudanças políticas no ano que vem interfiram na decisão. Não se sabe se governo federal vai incluir no projeto de desestatização, mas pela dificuldade financeira de investimento do atual governo, a nova realidade do setor da infraestrutura passa pelo setor privado e não pelo público.

O desafio, portanto, é viabilizar a obra antes das eleições via processo de concessão, sem que a Autoridade Portuária precise financiar 100% da obra. A população receberá um ativo de alta qualidade, que tem seu custo, mas é uma obra que resolve um problema secular. “A ponte custa mais (R$ 4 mi) e não tem as mesmas vantagens”.

O túnel vai custar apenas R$ 600 milhões, entre receita e custo de manutenção. “No caso da ponte, que vai sair depois do pedágio da margem esquerda, não há receita para custeá-la, então será paga por todos os usuários do sistema Anchieta- Imigrantes, e até por quem não usa a ponte”.

Benefícios do modal

Durante o programa da Boqnews TV, imagens do projeto do túnel foram exibidas, apresentando ao público a localização e formas de funcionamento do modal, além dos públicos que irá beneficiar. “Qualquer cidadão que conhecer o projeto do túnel enxerga que ele é superior. E se há essa concordância, por que não se faz?  Porque há interesses políticos por trás do projeto da ponte”, afirmou Tércio.

A tarifa do túnel poderá variar conforme o fluxo de usuários e do trânsito na cidade. “Ela pode ser maior no rush, menor na madrugada e ao longo da semana, para atrair maior número de usuários para o túnel”, explicou.

Caberá à Autoridade portuária decidir quem paga ou não a tarifa do túnel. O custo do pedágio no modal deve acompanhar os valores da balsa e será pago por veículos motorizados, enquanto ciclistas e pedestres não pagarão para utilizá-lo. O projeto do túnel inclui ainda o VLT.

A boa localização do túnel também foi reforçada, pelo fato de o modal estar situado na região leste da cidade, próxima do centro e de acesso mais central, beneficiando moradores de bairros diversos. “Ninguém vai sair do meio da Ponta da Praia para ir até a Entrada de Santos acessar a ponte”, disse.

E, com o túnel, a travessia Santos-Guarujá deixa de depender da balsa (que não deixará de existir). Hoje, além de embarcações ultrapassadas, o público enfrenta constantes filas para atravessar o canal, devido à incapacidade do sistema de absorver uma grande quantidade de usuários e pelo fato de a balsa interromper a passagem da embarcação para a circulação dos navios. “A regra é que a embarcação menor precisa parar para a passagem de outra maior, que é o caso dos navios”.

Túnel beneficia cidade e Porto

 “A análise é técnica e o projeto é apoiado por quem defende o porto, empresas do setor, e deveria ser defendido por toda a população. Se o governo estadual quer construir uma ponte na Alemoa, que faça por via submersa”, enfatizou o consultor. Com a perspectiva de que em 20 anos o Porto venha a movimentar R$ 240 milhões de toneladas, a previsão é que vá se ampliar muito a circulação de navios no canal.

Casemiro Tércio explica que, desde o começo das discussões sobre a ligação seca, enquanto ainda atuava como presidente da Autoridade Portuária de Santos, solicitou apoio do governo estadual ao projeto do túnel. “A Autoridade Portuária pediu os estudos do túnel realizados pela Dersa, mas a Secretaria de Logística e Transportes de SP não respondeu ao oficio da Autoridade Portuária e não se mobilizou para viabilizar o túnel”.

A proposta da ponte, salientou, não segue as determinações da Associação Mundial de Infraestrutura de Transporte Marítimo (PIANC), que determina diretrizes para obras desse tipo em áreas portuárias. Segundo Tércio, as análises da Escola Politécnica da USP sobre o projeto da Ecovias não se atentaram aos riscos da instalação da ponte em uma área que abriga os tanques da Ilha Barnabé e da Alemoa. Naquela região, a ponte também traria obstáculos aos planos de expansão do Porto.

O consultor argumenta sobre a inviabilidade da realização de dois projetos de ligação seca (ponte e túnel), já que o gasto com as duas obras não se justifica em época de crise, além do fato de que alguns países têm derrubado suas pontes.

Ao que tudo indica, os caminhos estão abertos para a construção do túnel, que vai contar com tecnologia e expertise internacional. A expectativa é que o projeto do modal imerso poderá servir de parâmetro para a construção de obras similares no Brasil.

Assista à entrevista do programa da Boqnews TV: htps://www.https://www.youtube.com/watch?v=xG5K_PJHnLIyoutube.com/watch?v=xG5K_PJHnLI