fbpx

Trinta apoiadores, entre representantes de associações de engenheiros e de arquitetura, de terminais portuários, de advocacia, entre outros setores, participaram da reunião da campanha Vou de Túnel realizada nesta quinta-feira (1). De forma remota, o movimento apresentou resultados do último semestre da campanha e discutiu ações para viabilização da ligação seca via túnel entre Santos e Guarujá. Desde novembro, a campanha dobrou o número de apoiadores, alcançando o total de 64 membros, enquanto a petição online em defesa do túnel superou a marca de 5 mil assinaturas.

Durante o evento, os apoiadores da campanha visualizaram o destaque que o projeto do túnel tem recebido na imprensa, na mídia e na ação de agentes políticos. Casemiro Tércio, porta-voz da Campanha Vou de Túnel, destacou os avanços de relacionamento do movimento com as prefeituras de Santos e Guarujá e as recentes declarações em defesa do túnel, após o acidente com um navio na área de embarque das balsas no Guarujá.

O engenheiro naval destacou ainda o posicionamento do Ministério da Infraestrutura durante a audiência pública da Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, que se comprometeu a definir entre os dois projetos (ponte ou túnel) no mês de setembro. Por fim, relembrou que a Associação Internacional de Engenharia Costeira e Portuária recomenda que ligações secas em canais estreitos de área portuária e baías de evolução sejam feitas de forma imersa.

A Prefeitura de Santos abraçou o túnel como solução importante para a cidade e a região, pontuou Casemiro Tércio. Além de melhorar a logística do Porto e a mobilidade da população, o túnel promoverá integração e uma verdadeira metropolização da região, conforme pontuado durante a reunião.

Eduardo Lustoza, consultor portuário e porta-voz da campanha, reforçou a importância da construção do túnel submerso para a defesa da navegabilidade e segurança do maior porto da América do Sul. “Os navios representam milhares de contratos, empregos e efeitos sociais, e neste cenário o túnel submerso é a melhor opção para a região”, disse. Ele também lembrou que o chamado fundão do estuário é uma área potente, onde se projeta a expansão do Porto, com possível ocupação da indústria offshore e petroleira.

Tarcísio Celestino, engenheiro especialista em túnel e responsável pelo projeto da Dersa, explicou que é inadmissível que um canal portuário como o de Santos corra riscos por conta de um obstáculo imposto no mar por uma ponte. “Caso um navio se chocasse contra um pilar, poderia ocorrer uma catástrofe ainda maior”, pontuou. O especialista alertou quanto aos impactos ambientais positivos que a obra do túnel proporcionará, ao reduzir o fluxo de carros e o tempo de deslocamento na ligação seca.

Também foi destacada durante a reunião a importância do ajuste jurídico para a inserção da obra do túnel na desestatização do Porto de Santos. Discutiu-se, ainda, a possibilidade de não aplicação de pedágios no túnel ou, se for o caso, de se empregar os rendimentos na manutenção do túnel submerso. 

PRÓXIMAS AÇÕES

A Campanha Vou de Túnel informou o compromisso de realização de um seminário sobre o tema no segundo semestre de 2021 com autoridades e especialistas, para discutir os impactos e benefícios do túnel submerso Santos-Guarujá.

Outra proposta foi a realização de um webinar sobre o túnel submerso, com apoio do Comitê Brasileiro de Túneis (CBT), para discussão de aspectos técnicos da obra.

Tarcísio Celestino sugeriu a realização de novas blitz da campanha nos acessos às balsas, de forma a angariar assinaturas em horário de pico. Na oportunidade, também seria realizada uma pesquisa de origem/destino para melhor identificação do público-alvo, regiões de maior deslocamento e futuras ações.

A estruturação de níveis estratégicos e de ação da Campanha Vou de Túnel foi outra sugestão apresentada, buscando estabelecer uma equipe de atuação em níveis hierárquicos, com a criação de comissões de tecnologia, comunicação, relacionamento político (local, estadual e federal), garantindo melhor eficiência na colaboração dos apoiadores.

Durante o encontro de apoiadores, também surgiu a proposta de o túnel contar com o apoio do Santos Futebol Clube, já que a integração do túnel com o VLT favorecerá a chegada de trabalhadores e torcedores à Arena Santos, além de atender também a região dos hospitais que fica localizada na região.

A proposta da Campanha Vou de Túnel é realizar uma reunião de apoiadores a cada mês para realização de balanço das ações e discussão de estratégias futuras.